Conhecer garotas solteiras

O que fazer quando conhecer uma mulher especial. Bom, agora que você sabe como montar a melhor estratégia para conhecer mulheres em João Monlevade – MG, é preciso se preparar para não fazer feio durante o seu encontro. Pensando nisso, vamos listar a seguir algumas atitudes que vão te ajudar a ter um momento inesquecível e bastante ... Conhecer mulheres na internet é a melhor opção. Se você quer conhecer garotas online para encontros casuais, relações sem compromisso ou até mesmo encontrar o par perfeito, a internet pode ser o lugar ideal.. É cada vez maior o número de solteiros que se registram em portais de encontros para seduzir uma mulher e curtir bons momentos.. Sem dúvida em um site ou portal de ... Muitas das garotas brasileiras daqui provavelmente são boas candidatas para se tornarem sua noiva brasileira. Mas para tomar a decisão sobre quem conhecer melhor, você precisa conhecer suas principais candidatas primeiro. Em nosso blog, você encontrará dicas sobre como encontra-la e o que preparar. Conhecer alguém para casar Última Visita: Mais de 3 meses: Procurando por Homens Mensagem. Listar. Adicionar Amigo. Me peça uma foto : lucosta23 37M Online. luanda, Angola (8722 Milhas) eu baixa moreninha tenho olhos castanhos escuros cabelo ate aos ombros tenho um bumbum . ... Mulheres Solteiras Mulheres Lindas Garotas Pin Up Viúva Negra Dicas De Fotos Belas Mulheres Alta Moda Atrizes Cantores Scarlett na premiere do Bob Sponja o filme em Los Angeles - 14/11/2004 Redoma De Vidro Mulheres Solteiras Outro Arranjos De Flores Noiva Festa Vaso De Vidro Decoração De Casa Buquê De Flores Todos nós já ouvimos falar do chat amoroso e do que ele pode fazer por nós. Alguns de nós até já experimentamos falar com alguém e outros até já devem ter conseguido encontros através dele. O chat romântico é uma excelente forma de conhecer novas pessoas, mas deve saber como se destacar para chegar a […] Continuar a ler Jamais deixe de usar as redes sociais para conhecer mulheres solteiras, pois é uma maneira rápida e prática de se conectar sem precisar sair de casa. Conclusão. Saiba que nenhuma mulher cairá do céu nos seus braços, por isso você precisa sair a caça aproveitando todas as opções possíveis. O que fazer quando conhecer uma mulher especial. Bom, agora que você sabe como montar a melhor estratégia para conhecer mulheres em Rolim de Moura – RO, é preciso se preparar para não fazer feio durante o seu encontro. Pensando nisso, vamos listar a seguir algumas atitudes que vão te ajudar a ter um momento inesquecível e bastante ... O nosso sistema detectou que você raramente responde a novas conversas. Especialmemte quando se trata de mensagens vindas de novos membros, pedimos que lhes dê as boas vindas para que eles não se sintam perdidos.. Nota: Você pode usar o AOutraMetade quando e como quiser, e o site continuará sendo grátis. O nosso único pedido é que você participe, sendo ativo nesta comunidade. Comunidade de Encontros para Homens Solteiros e Mulheres Solteiras. Finalmente vai poder encontrar o seu amor. Mais de 5.000.000 de utilizadores já utilizam o nosso sistema de encontros e adoraram a experiência. Já não precisa de estar sozinho. Junte-se à nossa comunidade e seja feliz!

A MENINA CHATA

2020.07.31 03:08 Gachamilenakuh A MENINA CHATA

(Eu gostaria de pedir gentilmente ao nosso luba que fizesse o sotaque gaúcho porque eu amo quando ele faz)
Oi luba, papelões sobreviventes (se é que tem algum), editores, mount, minecrafters, Nice girls e guys, mães solteiras e demônio atrás do luba, meu querido lubisco como você não está aqui para julgar mas está aqui para julgar, eu vou deixar você dizer se eu fui a babaca ou não... Bom, tudo começou quando eu me mudei para um apartamento ano passado (não estou mais morando lá) a comandos da senhorita mamãe eu fui conhecer os vizinhos do nosso andar, chegando na última porta, eu bato e dou de cara com uma garota um ano mais nova que eu 11 anos (vou chamá-la de zalrs) então ela perguntou se eu era a nova moradora, eu obviamente disse que sim, e então dias depois a gente virou amigas, no ano seguinte (2020) eu e ela cortamos contato por um tempo até um mês atrás, quando ela resolveu me ligar por chamada de vídeo, eu, com uma saudadezinha atendi ela é a gente ficou jogando roblox por umas duas horas, e aí eu falei que precisava sair porque estava com sono, ela disse com uma cara triste “tá bom” e nos outros dias ela me ligou e me ligou, então semana passada enquanto eu jogava Minecraft com meu amiguinho u/BKaio quando ela me ligou e disse que queria jogar, eu falei que estava ocupada conversando com outra pessoa e a Zalrs ficou brava e me mandou uma bomba atômica de mensagens, eu, como uma pessoa nada paciente digitei o seguinte: AGORA N QUANDO EU PUDER EU TE FALO !!! Então ela disse que eu n precisava mais mandar msg pq ela tinha cansado, eu disse pra ela parar de ser carente e crescer então desde esse dia eu não falo mais com ela. Então é isso lubisco obrigada <30
submitted by Gachamilenakuh to TurmaFeira [link] [comments]


2019.08.05 15:38 saboneteazul Eu "era" MGTO W, conheci uma "unicórnio" e fui um babaca

Tá, podem me chamar de idiota, eu deixo.

Nunca tive problemas com mulheres, até ficava com umas ocasionalmente, mas o problema é que eu acreditava muito em amor, queria ser amado. Eu fui muito magoado duas vezes em minha vida, sem querer conheci as teorias "red pill" e aquilo começou a fazer muito sentido na minha cabeça;
Não cheguei a ser um "devoto" MGTOW, mas comecei a seguir o conteúdo, e acabei aderindo algumas ideias e aquilo fez muito sentido.

Ate que eu conheci ELA.
Ela era prima de um amigo meu. Um dia ela e a irmã dela foram passar 2 dias na casa dele, nunca vou me esquecer da cena. Eu bati na casa dele, e a mãe dele mandou eu entrar. Eu entrei no quarto dele, ela estava no computador dele, com o headset jogando overwatch. E o meu amigo estava vibrando do lado dela. Eu fiquei sem graça e pensei em ir embora, mas meu amigo me chamou "cara, entra ai". Eu parei pra assistir ela jogando, os dedos ageis no teclado. Dei uma olhada no rosto dela, ela era tao bonita, e um pouco selvagem. Não me entendam mal amigos, não me apaixonei por ela por ela ser uma "gamer" (tá, talvez só um pouco), foi mais o jeito dela.
Ela era destemida, um pouco feroz. Naquele mesmo dia fomos fazer uma trilha que tem perto de casa (eu moro em um lugar mais afastado)
e tudo naquela garota me fascinava. O jeito dela rir, ela era em todos os aspectos encantadora. Forte. Eu me apaixonei por ela.
Comecei a tentar ser amigo, e eu comecei a me desabafar com ela sobre algumas questões. Ela era totalmente diferente de qualquer garota que eu ja havia conhecido em toda a minha vida.
Com o tempo, e sorte, eu comecei a tentar despertar a atenção dela. Ela se abriu em algumas questões comigo. Soube que ela tinha um problema com ansiedade (transtorno de ansiedade) que estava ate que um pouco controlado, eu tentei entender sobre o assunto e ela me explicou. Falou sobre gatilhos e etc. Esse foi o maior erro dela.

Quando nós saimos pela primeira vez, depois de 1 ano de amizade, e o relacionamento foi engatinhando (nem tinha ficado ainda com ela, ela apenas estava me dando uma chance de conquistá-la, hoje eu entendo isso), eu comecei a ter alguns problemas de insegurança.
Comecei a sentir ciumes dos colegas de faculdade dela, dos amigos virtuais dela, comecei a ter xilique quando ela ia jogar. Até que eu fiz a coisa que eu mais tenho vergonha. Eu usei os gatilhos dela, contra ela. Eu sabia os pontos fracos dela. E eu, covardemente usei.
Eu vi a gravidade da situação quando eu liguei no celular dela, e quem atendeu foi a mãe dela, e eu fiquei sabendo que ela teve que ficar internada por conta da poderosa crise de ansiedade que ela teve.
Eu me senti um lixo. Fui visitar ela no hospital, e ela estava dormindo. Olhei ela naquela cama, e eu vi como eu tinha sido um merda. Um lixo. Eu fiz muitas coisas ruins com uma garota que tinha sido legal comigo. Vi a enfermeira injetando drogas nela, e monitorando seus sinais vitais.

Ela se recuperou, e disse pra eu nunca mais procurar ela.
Ainda me pego stalkeando ela, nao consigo tirar ela da cabeça, (sei oq vao dizer, pra eu seguir em frente. Mas é muito dificil quando se conhece uma pessoa tao diferente das demais)
Hoje, 4 anos após tudo, eu ainda me sinto um lixo por ter jogado tudo isso no ralo.

Ela continua solteira, acho que eu acrescentei mais um gatilho na lista dela: abrir o coração pra alguem.
submitted by saboneteazul to desabafos [link] [comments]


2019.05.10 07:05 giulianosse Apatia; viver faz ainda menos sentido e literalmente não vejo saída pra isso

Aviso que isso vai ser longo. Provavelmente ninguém lerá até o fim, mas eu juro que tentei resumir o máximo que pude.
Background: 2018
Eu, 23 anos, basicamente um fracasso em quase todos os aspectos possíveis da vida.
Em julho descobri que seria jubilado no final do semestre após cursar 4 anos de um curso que eu amo em uma das faculdades mais prestigiosas do país pois não tinha vontade e ânimo de estudar (dificuldade de me adaptar = DPs = poucos amigos)... mas tudo bem
Sempre tive poucos amigos. Muitos colegas e conhecidos, mas poucos amigos de verdade. Sou super introvertido, mas depois que conheço mais a pessoa me torno o cara mais extrovertido do planeta. Não gosto de ir em festas e baladas onde não conheço ninguém, mas adoro passar uma noite enchendo a cara e falando/fazendo merda no boteco mais sujo da cidade com meus amigos. Sempre tive sobrepeso, fui feio e tive zero auto-estima, então nunca aprendi a me aproximar de alguém novo... mas tudo bem
Tenho os hobbies mais caseiros possíveis: livros, séries, jogos e filmes. Porém, assim como minha persona social, sou esquisito e sou doido de vontade de fazer outras coisas mais "ao ar livre" tipo viajar para outras cidades/países, ir em shows, festas, praticar um esporte; só faltava companhia mesmo... mas tudo bem.
Nunca tinha tido uma relação amorosa. Pior, sequer consigo conversar direito com meninas. Apesar de não ser mais bv, ainda assim era virgem e nunca tinha sentido vontade de ter um relacionamento... mas tudo bem.
Digo "tudo bem" pois eu aceitava perfeitamente a minha mediocridade. Eu não era feliz, mas de certa forma conformado e satisfeito com a minha situação... e isso era o que importava. Era contente e deixava a vida me levar.
Aí chegou setembro.
Logo no começo do mês, viajei com uns amigos e passamos um fim de semana enchendo a cara em um sítio, como fazemos semi-regularmente. Sempre vão basicamente as mesmas 8-10 pessoas, às vezes alguém novo. Eis que o impossível acontece: uma garota da minha idade, amiga comum de todos os meus companheiros (todos na casa dos 28 anos pra cima), também foi. Inicialmente eu não dei a mínima, mas aconteceu que ela estava 100% interessada em mim. Até eu, um zero a esquerda nesse assunto, notei isso na hora.
Enfim, por iniciativa dela acabamos se pegando (e eu, na ansiedade e pânico do momento, acabei nem me despedindo dela quando fui embora no domingo hahaha)
No dia seguinte, resolvi adicionar ela no Facebook (como faço com todas as pessoas novas que conheço) e, pasmem, ela vem puxar assunto. No começo, mal conseguia responder. Ela teve muita insistência em continuar me dando trela. Papo vai, papo vem e acabo "descobrindo" que ela estava realmente interessada em mim.
Acabou que, em basicamente uma semana, estávamos trocando mensagens todos os dias e conversando basicamente o dia inteiro sobre tudo, tudo mesmo. Contei coisas pessoais que nunca tinha falado pra ninguém. Ouvi, também. Éramos compatíveis em literalmente tudo. Nos abrimos como livros. Nunca havia sequer imaginado que poderia ser íntimo assim com outra pessoa em minha vida.
Acabou que, obviamente, nos apaixonamos. No começo foi meio estressante (duas semanas depois, primeiro encontro, eu já a pedindo em namoro e ouvindo um "não" porém continuamos interagindo da mesma maneira; ela ficando com outras pessoas em um bar e depois vindo contar, chorando, que não podíamos ser nada além de amigos; ela mudando de opinião 180º um fim de semana depois) mas deu que acabamos por enfim namorar.
Não quero me prender muito aos detalhes, mas apenas gostaria de dizer que foram os melhores três meses da minha vida. Eu a amei, e era tudo absolutamente 100% recíproco. Fizemos planos, fomos descobrindo ainda mais coisas e hobbies que éramos compatíveis... até brincávamos que estávamos bancando o Juscelino Kubitschek edificando Brasília - 50 anos em 5 - pelo ritmo das coisas. Não sou muito de filmes românticos, mas eu ainda acredito que nossa paixão era melhor que 95% de todos os roteiros e scripts que alguma vez já foram lançados no cinema (assistam "Spring" - além de ser um filme pica d+, é basicamente uma alegoria 1:1 do nosso namoro até então. Ficamos até meio chocados quando assistimos)
Nesse período eu também dei um duplo twist carpado na personalidade - minha auto estima foi de negativo a 100, comecei a me vestir melhor, fiquei mais extrovertido - as pessoas sempre nos chamavam para participar de qualquer coisa - e animado, comecei a expandir meu círculo social; passei no vestibular - extremamente concorrido e difícil da mesma universidade que fui desligado - sem estudar absolutamente nada, estava pronto para arranjar um estágio/emprego na área que sempre sonhei... Evoluí pessoal e profissionalmente nesses 3 meses o que não havia feito em 5 anos.
Começou 2019.
Tudo estava correndo na mais perfeita normalidade... até mais ou menos a metade de janeiro. No período de uma semana, um interruptor mudou nela. Da mesma maneira que a relação esquentou, esfriou... porém sem nenhum motivo óbvio. A mudança foi de nível "trocar 300 mensagens melosas por dia e o caralho a quatro" e contar os segundos até que pudéssemos nos ver novamente pra "tô cansada e ocupada, só posso falar de noite" e ficar indiferente quando finalmente nos encontrávamos.
No último dia do mês ela terminou por telefone. Ela disse que "não estávamos na mesma fase de vida" (ela havia terminado uma relação de 6 anos no começo de 2018) e que se isso continuasse ela iria me tratar ainda pior a cada dia que passasse, como foi com o ex dela. Disse que gostaria de continuar "sendo amigos", mas nem isso acabou por ser recíproco. Provavelmente queria aproveitar a vida e não arrumar outra relação séria tão cedo, enfim.
Antes que alguém pense nisso - não, eu não estava sendo traído nem nada do estilo. Disso eu tenho absoluta certeza pelo que eu conhecia dela. E também não digo que eu não tive culpa de nada - durante o último mês da relação, a falta de reciprocidade estourou a minha ansiedade pra mil e isso mais que certeza contribuiu bastante pro final.
Para a surpresa de ninguém, isso foi como um tiro pra mim. Não esperava um término de fato, ainda mais sem nenhuma explicação. Mas o pior do pior de tudo foi o pós - agora, no caso.
Pense em alguém que esteve a vida inteira caído no chão. Um belo dia, alguém lhe dá a mão e a ajuda a levantar. Assim que a pessoa, por fim, finalmente fica de pé, alguém passa uma rasteira por trás e a pessoa volta a cair no chão.
Como eu falei, antes eu era medíocre, mas era conformado. Hoje eu voltei à mesma mediocridade, mas não consigo mais me contentar após ter visto "o outro lado" da vida. Como era bom ter uma pessoa na vida que realmente se importava com você. Como era ser amado por outra pessoa. O que é intimidade. Como é bom ser valorizado pelo que você é.
Infelizmente, tudo que conquistei acabou por voltar ao modo que era antes. Estou na mesma merda em relação à faculdade (falta de ânimo pra estudar = fazer poucas matérias no semestre = deixar de me enturnar com os outros calouros = suicídio social 2.0), não consegui um estágio, tenho quase 24 anos sem experiência profissional, sem um diploma, sem círculos sociais novos.
Nem tudo foi pro lixo. Ainda mantenho o meu peso (lá pra maio do ano passado comecei a fazer uma dieta que emagreci 25kg em 6 meses - me perguntem sobre jejum intermitente que eu sou profissa nisso!) e me sinto 1% mais confortável no meu corpo, minha relação com o meu pai melhorou e não perdi nenhum amigo que tinha após o termino (tanto porque nosso círculo social era o mesmo).
Porém, eu tenho vontade de acabar com tudo todos os dias.
Diversas pessoas me contaram, na época, que isso ia passar. Eu ainda penso nisso quase todos os dias. Pior ainda pois estou bem desocupado (tenho só 2 aulas por semana).
Venho tentando ser o mais social possível, organizando bares, encontros entre amigos, programas, churrascos... tudo pra ter um pouco de companhia. Mas, eu te pergunto, e aí? Todos meus amigos, por serem mais velhos, tem suas responsabilidades e não estão sempre disponíveis. Sem contar que eu sinto que a cada dia eles estão se enchendo de mim, por eu estar projetando toda essa carência (só conversei sobre meu término de vdd com um dos meus amigos, que além de ser família eu o considero praticamente como um irmão)
Nunca fui fã de acreditar em destino, mas vira e mexe me pego pensando "será que ela era 'a minha alma gêmea' e como eu caguei na oportunidade ficarei solitário pelo resto da minha vida?". Leio milhões de relatos na Internet de pessoas que são solteiras com seus 30, 40, 50 anos e me vejo no lugar delas. Tentei por um tempo dating apps mas foram poucas pessoas que me interessaram, ainda menos que sequer responderam minhas mensagens e nenhuma até agora que sequer deu a mínima bola. Me considero um 6 de aparência, mas sempre me prezei pelo meu humor e capacidade de conversa. Fato é que ninguém me quer.
Com toda certeza também nunca encontrarei alguém como ela na minha vida. Isso não é papo e sim praticamente um fato. Quais as chances de alguém, além de me achar interessante e bonito, dar a iniciativa que está afim de mim, me dar bola, ser bonita, possuir os exatos mesmos gostos e hobbies, mesma personalidade, mesmo senso de humor, maturidade... mesma porra toda? E ainda possível conhecer ela por intermédio de amigos? Absolutamente zero.
E é por isso que não vejo mais sentido nessa vida. Só estou prolongando o meu sofrimento e apatia a cada dia que passa. Estamos já quase na metade do ano em um piscar de olhos e sinto que tô jogando minha vida no lixo. Francamente, meu desejo de viver acabou quatro meses atrás e atualmente eu sou apenas um zumbi vivendo em função do momento. Não há um dia que passe e eu não pense em como seria reconfortante dar um fim nisso tudo.
Se você leu até aqui: meus eternos agradecimentos e desculpas por ser algo tão patético. Desabafar me trouxe um alívio momentâneo, mas atualmente é tudo que eu tenho.
submitted by giulianosse to desabafos [link] [comments]


2017.11.13 21:35 tombombadil_uk Today I fucked up: a estranha sensação de reencontrar um amor do passado 12 anos depois / Parte 2

Não esperava que a Parte 2 ia rolar tão cedo, mas tem atualizações aí. Para quem quiser, dessa vez tem um TL/DR no fim.
A parte 1 é essa aqui: https://www.reddit.com/brasil/comments/7c6tsx/today_i_fucked_up_a_estranha_sensa%C3%A7%C3%A3o_de/
PS.: escrevi isso aqui correndo assim que cheguei em casa, então provavelmente pode estar confuso ou com uns errinhos. Nem de perto foi tão trabalhado quanto o conto que eu fiz da primeira parte. Me desculpem de antemão.
Tive uns dos finais de semana mais atípicos dos últimos anos. Acho que nunca viajei tanto em memórias e dúvidas. Será que realmente rolava alguma coisa? Aliás, será que foi ela mesmo que eu vi na rua? Ela aprecia tão mais velha que talvez sequer fosse a mesma pessoa. E cá estava eu viajando porque uma pessoa aleatória me morou na rua e eu a confundi com alguém que não vejo há doze anos.
Ainda assim, embarquei na onda da nostalgia. Escutei os CDs do Linkin Park, System of a Down, Evanescence e Radiohead que a gente ouvia na época, baixei alguns jogos que eu jogava na época (Xenosaga, Burnout e alguns outros) e coloquei no PS2 que eu achei por um preço ridículo numa feira de rua. Assisti Anjos da Noite e Oldboy, dois que eu lembro de ver naqueles tempos. Domingo eu estiquei a ida à feira e fui até o curso de inglês que frequentávamos juntos, refiz o caminho de lá até casa onde os pais dela moravam. Antes que perguntem, não, eles não moram mais lá. Sei disso porque a casa apareceu à venda há muito tempo.
Foi um fim de semana agridoce. A esposa me achou meio para baixo, eu revirei horas no travesseiro antes de conseguir dormir. Segunda de manhã, indo para o trabalho, eu já estava mais sossegado. Cheguei à conclusão que havia uma enorme possibilidade daquilo tudo ser um baita mal entendido, que aquela mulher sequer era ela. E que eu provavelmente jamais a encontraria na minha vida. E me preocupar com algo tão inatingível era sem propósito algum. O fato de eu ter tentado encontrá-la no Facebook por horas sem sucesso só reforçava isso.
Eu conhecia apenas um dos seus sobrenomes, mas ela não aparecia de forma alguma. Tentei com sobrenome aleatórios algumas boas 20 vezes, devo ter aberto mais de 200 perfis. Nada. Nem sinal.
Mas eu queria falar com alguém sobre aquela história, então decidi me abrir com um amigo do trabalho que é bem gente fina e em quem confio. Passei o almoço contando a história e depois ficamos uns 40 minutos discutindo o assunto. A conclusão dele foi a mesma da galera daqui: "Caralho, como você não falou com ela? Dava um oi, chamava pra conversar".
Falei para ele também que estava começando a duvidar de mim mesmo. Ela estava com uma aparência tão mais velha e nós temos a mesma idade, eu dizia. "Cara, classe média baixa, dois filhos com 20 e poucos anos, voce nem sabe se ela é casada ainda ou não. Às vezes virou mãe solteira e está numa luta fodida".
Quando voltamos para o trabalho, fiz mais uma rodada de pesquisa no Facebook. Talvez fosse uma memória embasada do passado, talvez fosse só uma coincidência, mas eu cismei com o sobrenome Ferreira. Não era o sobrenome que eu sabia com certeza, só um chute que ficava martelando a minha cabeça. Parte de mim dizia que era confusão. Eu tinha uma amiga com o mesmo nome dela é Ferreira no sobrenome, provavelmente estava só confundido as coisas.
Nesse processo, aprendi que o Facebook te dá resultado diferentes para a mesma pesquisa quando você a faz de tempos em tempos. E logo depois desse desabafo, como se falar em voz alta fizesse ela se materializar, ela apareceu. O mesmo rosto de 12 anos atrás, o mesmo sorriso, os mesmos olhos. Minha mão tremeu no computador, levantei para pegar um café é uma água. Respirei fundo, e voltei para ver o resultado.
No começo, senti um misto de alívio e decepção. Ela parecia exatamente como 12 anos atrás, então não era possível que aquela mulher que encontrei na semana passada fosse ela. Abri o perfil e comecei a ver as fotos, os filhos, a pouca vida dela que aquela janela mostrava. Quando abri uma foto mais recente da linha do tempo, a verdade voltou com um soco no estômago: eu realmente a encontrara. A foto de perfil era antiga, mas as mais recentes não deixavam espaço para dúvidas. Eu tinha esbarrado com ela.
Chamei meu colega de trabalho para tomar um café e mostrei as fotos no celular. "Se você não me dissesse que ela tem a mesma idade que a gente, eu nunca ia acreditar em você. Ela parece uns dez anos mais velha, mas era a menina bonita antigamente". E fez a pergunta que eu já estava fazendo mentalmente. "Porra, uma porrada de foto com a família e os filhos, mas e o pai?".
A resposta eu encontrei na lista de amigos dela. Percebi que tinha amigos em comum com outra pessoa da família que tinha o mesmo sobrenome, um amigo farmacêutico que começara a trabalhar em uma farmácia perto do ligar onde trabalho. Era perfeito. Liguei para ele dizendo que queria trocar uma ideia, mas ele tinha acabado de ser transferido para outra unidade da rede para cobrir uma unidade. Com um fogo no cu absurdo, larguei o foda-se no trabalho, peguei um Uber e fui para lá.
No caminho, eu já não sabia bem o que estava fazendo. Eu ficava vendo e revendo aquelas fotos no celular no caminho, lembrando mais e mais dela. É engraçado lembrar de uma pessoa com quem você teve um relacionamento tão profundo e tão curto há tanto tempo. Às vezes eu não sabia bem se eu estava lembrando de alguma coisa ou se eu estava fantasiando, se estava extrapolando algumas memórias.
Fuçando o Facebook dela - curtidas, comentários, gostos, fotos - eu via que ela era exatamente o que eu imaginava. Uma pessoa extremamente simples, de família de classe média baixa, com um estilo de vida simples, bem família e discreta. Os filhos pareciam ser o primeiro lugar em tudo.
Encontrei meu amigo por volta das 16h e subi para a sobreloja da farmácia. Ele vivia falando que o trabalho dele era um marasmo absurdo e tudo que ele fazia quase o dia inteiro era ficar no segundo andar jogando 3DS e como ele estava prestes a comprar um Switch só por conta disso. "Queria ter esses problemas no meu trabalho", brinquei.
Esse meu amigo não é super próximo, mas nos conhecemos há uns 15 anos e crescemos na mesma vizinhança. Apesar de não ser o tipo de pessoa para quem eu desabafo, é alguém em quem eu confio demais. Contei para ele a história toda. "Porra, mas achei que você e XXXX fossem felizes. Vocês têm uma vida tão tranquila". A gente é, eu expliquei. Na verdade eu sou feliz para caralho com a minha vida conjugal, "mas essa ogiva nuclear me fodeu completamente. Pelo menos nesse fim de semana".
É aqui que a história dá uma guinada um pouco para pior. Meu amigo farmacêutico é o tipo de cara que está a cada semana com uma mulher diferente. Os namoros nunca duravam muito. Ele é pintoso e gente fina, então é o tipo de cara para quem chove mulher. E uma dessas mulheres era prima dela, uma mulher com quem ele saiu até por bastante tempo (quase seis meses) dentro dos parâmetros dele.
Ele não lembrava os detalhes, mas ela ficou "falada" na família por conta da crise no casamento. Casou nova, passou para um concurso público que pagava bem mal, mas pelo menos era um emprego garantido, e teve um filho logo no primeiro ano do casamento. No começo, parecia conto de fadas: os dois colegas de escola casam, passam em concursos públicos diferentes (naquele boom de concursos que rolou entre 2005~2010) e têm dois filhos bem rápido. Aos 22 anos, eles já tinham a vida "feita" para alguns padrões.
Mas isso não durou muito. Meu amigo farmacêutico não sabia dos detalhes, obviamente, mas o cara se arrependeu de ter casado tão cedo. Ela largou a faculdade para se dedicar aos filhos. Ainda assim, faltava tempo para cuidar dos dois. Ela largou o emprego público também para se dedicar às crianças e virou dona de casa em tempo integral.
"Ela passou em um concurso público de primeira, eles achavam que ia ser fácil entrar em órgão público mais tarde, quando as crianças estivessem maiores". Burrice do caralho, pensei. A procura por concurso público cresceu vertiginosamente e as vagas minguaram. Agora até os concursos mais bundas tinham altíssima concorrência.
Aparentemente, boa parte da família foi contra. A gente está falando de uma família de classe média baixa de um subúrbio bem quebrado. Para eles, aquela vaga no emprego público era a garantia de que ela teria estabilidade para a vida toda. Ela insistia que o marido tinha um emprego melhor e que eles economizariam tendo ela como dona de casa.
Passaram algum tempo juntos dessa forma, mas o cara ficou de saco cheio. Meu amigo não sabe se chegou a acontecer traição ou não, mas ele enjoou daquela vida. Achava que tinha casado muito cedo, que não tinha aproveitado a vida. Que os dois se precipitaram, que ele não tinha vivido. Que ele não queria ficar preso naquela vida desde tão cedo.
E meteu o pé.
Na família, segundo meu amigo, rolava um misto de pena e revolta com a menina pelas decisões dela. No final das contas, ela voltou para a casa dos pais, entrou em depressão e passou a viver em função dos filhos. Ela não conseguiu terminar a faculdade e jamais a reatou por causa deles também.
Caralho.
No caminho para casa, eu fiquei pensando o quanto aquilo era triste e curioso. Triste por razões óbvias. Curioso porque ela viveu o meu sonho. Sei que pode parecer besteira, mas meu sonho sempre foi casar e ter filhos cedo. Eu nunca fui um cara muito da pegação - até porque, como já disse aí, sempre tive a auto-estima muito baixa - e sempre quis ter uma família, meu sonho sempre foi ter filhos. E eu queria curtir os meus filhos o máximo que pudesse. Imagina você com 32 e um filho de 10 anos? Quanta coisa gostosa você não ia poder compartilhar, viver junto? Acho que o passar do tempo torna o abismo entre as gerações cada vez maior, o que dificulta essa aproximação entre pais e filhos. Em tempo, é só uma opinião pessoal. Não tenho filho, então não tenho muita voz nisso e posso estar redondamente enganado.
Ela viveu o meu sonho, mas tudo deu radicalmente errado. Hoje eu entendo como deve ser problemático casar cedo. Eu casei com 26, o que muita gente já chamaria de cedo hoje em dia. Mas caralho, casar aos 20? Eu precisaria ter certeza absoluta de que estava com uma ótima pessoa ao meu lado, mas é difícil a gente chegar a essa conclusão tão cedo. A maioria das garotas com quem saí entre meus 18~22 anos jamais estariam na minha lista de possíveis esposas hoje em dia. Algumas são minhas amigas até hoje, mas a grande maioria ganhou pensamentos e posições que vão contra quase tudo que eu acredito.
Tentei imaginar a vida dela agora. 32 anos, dois filhos, divorciada, sem faculdade e depois de largar um emprego público, morando na casa dos pais. Os posts e fotos dela no Facebook tem um quê de agridoce. Parece haver um amor incondicional pelos filhos e pelo desenvolvimento deles. Mas ao mesmo tempo parece haver uma triste por não ter aproveitado a vida. Encontrei até um post antigo em que ela nunca tinha andado de avião e sonhava em conhecer a Europa, postava fotos dos lugares que gostaria de viajar, lia livros sobre eles.
Eu sei que isso pode soar paternalista, mas tudo isso me pesava muito o coração. Me dava vontade de ir lá, de mudar a vida dela, de levá-la para Paris, Roma, Praga, Porto, as poucas cidades que visitei nas vezes em que fui para lá. Me dá vontade de correr para encontrá-la, abraçar, ficar com ela, conversar, qualquer merda.
Mas aí eu caio na realidade. Cá estou eu, casado, relativamente estabelecido, vivendo super de boa até sexta-feira. E se eu puxar uma conversa no Facebook para encontrá-la, chamar para um café pelos velhos tempos e falar que fiquei sem jeito de puxar papo com ela quando a vi na praça sexta-feira? O que eu vou dizer?
Depois de explicar porque saí do curso daquele jeito, 12 anos atrás, vou falar que era completamente apaixonado por era e que estava me sentindo feito um adolescente agora? Será que não vou adicionar mais um arrependimento para a lista dela, partindo do princípio que ela talvez também sentisse algo por mim à época? E se não sentia, de que isso serviria?
E não sei as consequências que vê-la pessoalmente podem ter. Sim, ela parece bem mais velha e o tempo não foi bom com ela. Mas eu ainda a acho linda e sinto um aperto no coração idiota toda vez que olho para as fotos dela no Facebook. Eu tenho medo de aparecer, me mostrar como algum exemplo da felicidade e bom senso (sim, já escutei de amigos meus que tenho a vida "perfeita demais" por conta do meu bom senso em geral, apesar de eu achar que tenho uma vida ok, só pautada pelo "pensar antes de fazer") que apenas acentue as más escolhas dela. Eu tenho medo de não aguentar e fazer merda, de estragar um casamento que vai bem para caralho.
Ela está aqui, a um clique de distância, e não sei o que fazer. Nem se devo fazer alguma coisa.
TL/DR: achei a menina no Facebook depois de chutar dezenas de sobrenomes diferentes. Ela está divorciada, largou um emprego público e parece estar numa fossa fodida. Eu não sei se devo fazer alguma coisa ou deixar esse feeling morrer e continuar vivendo deixando esse fuck up de ter sumido da vida da menina para trás.
submitted by tombombadil_uk to brasil [link] [comments]


Mulheres Solteira Faro visita a famosa cidade das mulheres solteiras - YouTube MULHERES SOLTEIRAS EM BH Cidade das mulheres solteiras - YouTube Mulheres solteiras procuram Mulher solteira querendo casar - YouTube 10 PAÍSES COM MULHERES SOLTEIRAS POR FALTA DE HOMEM - YouTube 5 PAÍSES COM MULHERES SOLTEIRAS POR FALTA DE HOMEM Caixa- Garotas Solteiras

Mulheres Procurando Homens em Angola - Amigos.com

  1. Mulheres Solteira
  2. Faro visita a famosa cidade das mulheres solteiras - YouTube
  3. MULHERES SOLTEIRAS EM BH
  4. Cidade das mulheres solteiras - YouTube
  5. Mulheres solteiras procuram
  6. Mulher solteira querendo casar - YouTube
  7. 10 PAÍSES COM MULHERES SOLTEIRAS POR FALTA DE HOMEM - YouTube
  8. 5 PAÍSES COM MULHERES SOLTEIRAS POR FALTA DE HOMEM
  9. Caixa- Garotas Solteiras

Entrevista com o elenco de Mulheres solteiras procuram e encontro dos fãs com os atores. Enjoy the videos and music you love, upload original content, and share it all with friends, family, and the world on YouTube. P 1 BAIANINHO DE MAUÁ E JP. GLADIADOR 2000 MIL REAIS QUEM FAZ 10 EM TRES LAGOAS MS MARÇO 2020 - Duration: 55:50. Garra na Sinuca Recommended for you Vocês sabem quais são os países que tem mais mulheres, digamos assim, sobrando? Já pensou um país aonde só existe mulheres, esse é com certeza o sonho de mui... Oque você faria ? sairia do brasil para conhecer a mulher dos sonhos ou ficaria aqui, e iria para cidade do cordeiro ? ... 7 países com mulheres SOLTEIRAS por falta de homem - Duration: 5:22 ... Rio, SP, BH ou Sua Cidade: Onde é O Melhor Lugar pra Conhecer Mulheres? - Duration: 25:13. SB João Victor 4,818 views. ... Mulheres Solteiras - Duration: 0:56. Karina se Declara 8,842 views. Todas as mulheres solteiras - Duration: 0:34. YouTube Brasil 636,113 views. 0:34. Testemunho impactante do Ator de Jim Caviezel do Filme Paixão de Cristo de Mel Gibson - Duration: 40:08. A cidade Noiva do Cordeiro é a prova de que o lugar de mulher é onde ela quiser. Lá tem motorista, fazendeira e tudo mais compostos por mulheres. Isso porque... Mulheres solteiras